democraciaAbierta: Opinion

Bolsonaro não esconde sua estratégia para as eleições

O presidente brasileiro implementou medidas populistas, mas sua real aposta para se manter no poder é muito diferente

Manuella Libardi
25 Julho 2022, 12.00
A popularidade e intenções de voto de Bolsonaro são baixas. Mas ele não tem intenções de perder as eleições
|

Anderson Riedel/Agencia Brasil/Alamy Stock Photo

A menos de três meses das eleições presidenciais no Brasil, o presidente Jair Bolsonaro se mostra desesperado. Mas também mostra que não vai cair sem lutar. O cenário eleitoral nunca foi favorável ao presidente eleito em 2018, com as pesquisas apontando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva consistentemente como favorito há mais de um ano.

Em pesquisa recente, Lula lidera com 44% das intenções de voto contra 33% de Bolsonaro. Uma vantagem de mais de 10 pontos percentuais seria suficiente para Lula vencer já no primeiro turno de 2 de outubro. Mas as pesquisas também mostram Lula liderando um potencial segundo turno de qualquer maneira.

Diante dessa realidade, Bolsonaro tem implementado políticas para melhorar sua popularidade. Na última quarta-feira, 20 de julho, o governo anunciou que aumentaria em 300% o valor do Auxílio Brasil, seu programa de ajuda a famílias em situação de vulnerabilidade que, de forma polêmica, implementou no ano passado para substituir o Bolsa Família, programa do governo Lula caracterizado pelo Banco Mundial como uma "revolução silenciosa".

Bolsonaro também assinou uma lei que permite que os estados reduzam o imposto sobre combustíveis, levando a uma queda nos preços estratosféricos que assolam o país este ano. Como as recentes pesquisas eleitorais vieram antes das medidas, é difícil estimar se elas terão impacto nos números – que se mantiveram estáveis ​​nos últimos meses.

Embora suas medidas populistas possam melhorar suas intenções de voto, certamente não serão suficientes para superar a vantagem de mais de 10% de Lula. Bolsonaro também sabe disso. Sua estratégia para se manter no poder é diferente, uma que vem preparando desde o ano passado.

Ataques à democracia

Na segunda-feira, 18 de julho, Bolsonaro disseminou mais uma vez conspirações sobre o processo eleitoral brasileiro, desta vez em diante de embaixadores estrangeiros no Palácio da Alvorada. No evento, cujo motivo oficial não está claro, Bolsonaro atacou as urnas eletrônicas, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), além de renovar ameaças ao Supremo Tribunal Federal (STF). O presidente também defendeu que as Forças Armadas realizem contagem própria dos votos durante as eleições.

Relacionado

2G67P1X.jpg
O status do líder de extrema-direita como um pária internacional mascara alguns pontos importantes de continuidade

Para defender seu caso, Bolsonaro citou um suposto ataque hacker ao TSE durante as eleições de 2018, apesar de a Polícia Federal não ter encontrado indícios de fraude ou manipulação de votos. Desde sua implementação em 1996, o Brasil nunca registrou fraudes em urnas eletrônicas.

Durante seu discurso de pouco mais de 45 minutos, Bolsonaro emitiu 20 declarações contra o processo eleitoral. As intenções de Bolsonaro são descaradas. Em resposta aos seus ataques às instituições democráticas, o governo dos EUA defendeu o sistema eleitoral brasileiro. "As eleições brasileiras, conduzidas e testadas ao longo do tempo pelo sistema eleitoral e instituições democráticas, servem como modelo para as nações do hemisfério e do mundo", disse um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA na terça-feira, 19 de julho.

Os ataques de Bolsonaro não são novos. Mas a reunião é preocupante porque o presidente convocou representantes internacionais para fazer uma apresentação sem qualquer propósito diplomático. "Sabíamos o que ele ia dizer, isso não foi uma surpresa", disse um dos embaixadores presentes à Reuters. "Mas é bastante incomum reunir a comunidade diplomática para falar sobre uma questão doméstica", explicou.

As tentativas de Bolsonaro de lançar dúvidas sobre o provável resultado negativo para ele há muito preocupam a comunidade internacional. Já em 2021, o diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) William Burns havia advertido oficiais brasileiros sobre as ações antidemocráticas do presidente brasileiro, informou a Reuters em maio deste ano.

Bolsonarismo e violência política

As eleições de 2022 também serão realizadas em um contexto de aumento da violência política no Brasil. Neste mês, a morte do guarda municipal e tesoureiro do PT, Marcelo Aloizio de Arruda, em Foz do Iguaçu, no Paraná, colocou o Brasil em alerta. O suspeito é o policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho, um fervoroso defensor de Bolsonaro. Arruda foi baleado durante sua festa de aniversário, que teve como tema o PT e Lula.

As instituições brasileiras são fortes o suficiente para resistir tamanho ataque à democracia?

Em resposta, Bolsonaro justificou o assassinato como parte de uma cruzada ideológica. "Você acha que não existe guerra do bem contra o mal?", questionou. Ele também aproveitou a oportunidade para atacar Lula, em uma clara demonstração de whataboutism. "Olha, pergunta para o Lula se tem muito cachaceiro no Brasil", agregou.

A violência política no Brasil aumentou 23% no primeiro semestre de 2022 em relação ao mesmo período de 2020, quando foram realizadas as eleições municipais, os últimos pleitos no país, segundo estudo realizado pelo Observatório da Violência Política e Eleitoral , da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Os crimes mais comum foram ameaças, seguidos de agressões e tentativas de homicídio. Diante desse cenário preocupante, a Polícia Federal decidiu antecipar o programa de segurança para os candidatos à presidência.

As ações de Bolsonaro sugerem que o aumento da violência política é o que ele busca. O presidente é conhecido por incitar sua fiel base em tempos de baixa popularidade, como fez diversas vezes durante a pandemia. Bolsonaro também não esconde sua admiração pelo ex-presidente dos EUA, Donald Trump, que apostou em táticas semelhantes diante das eleições de 2020. Assim, fica claro para muitos analistas que Bolsonaro tentará promover uma revolta popular como a invasão do Capitólio, em janeiro de 2021. As instituições brasileiras são fortes o suficiente para resistir tamanho ataque à democracia? Por enquanto, elas têm mostrado sua superioridade diante de Bolsonaro. Mas precisamos estar a postos para defendê-las.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData