Beyond Trafficking and Slavery: Feature

Cruzar a fronteira México-EUA pode pagar as contas

De atravessar irregularmente para policial de fronteira — uma carreira viável

20 Julho 2022, 12.00
Patrulha de fronteira perto de Juárez, no México
|
Roberto E. Rosales/Albuquerque Journal/ZUMA Wire/Alamy Live News
Erik

Desde que eu tinha 6 anos, minha mãe me ensinou a assumir responsabilidades. Ela acabou de morrer, mas antes de ir, ela disse: “Você sabe o que fazer. Estou deixando você no comando.” Éramos quatro, agora somos três. Moro com meu avô e namorada. Ela cuida dele e cuida da lojinha que minha mãe nos deixou enquanto eu trabalho. Cuidamos uns dos outros.

Eu só tentei cruzar a fronteira para os EUA uma vez. Minha mãe estava sofrendo de uma doença cardíaca. Ela precisava de medicação e nós de dinheiro. Ela tinha a loja e eu trabalho vendendo comida de cachorro a granel desde os 13 anos, mas ainda não tínhamos o suficiente para pagar as contas. Meus amigos em El Paso me disseram que eu poderia ganhar um bom dinheiro lá, então fui.

Fui tarde da noite, mas a Imigração dos EUA me pegou assim que cheguei ao outro lado. Eles me fizeram muitas perguntas. Queriam saber se estava sozinho ou se era contrabandista. Eles então me mandaram para um abrigo para passar a noite. De manhã fui transferido para o serviço de proteção infantil em Juárez, onde minha mãe me pegou. Eles me trataram muito bem, na verdade. Mas decidi nunca mais fazer isso. Nunca mais quero ficar preso assim.

Ela precisava de medicação e nós de dinheiro

Recentemente voltei a estudar para terminar o ensino médio. Eu desisti há alguns anos porque não dava conta de trabalhar e estudar. Eram dias longos. Eu acordava às 7h30, trabalhava até a escola começar às 13h e voltava às 6h30. Então comia, fazia minha lição de casa e ia dormir. Todo dia era assim. Minha mãe me disse para deixar meu emprego em vez da escola, mas não era isso que eu queria naquela época.

Escolher o trabalho em vez da escola é algo de que me arrependo e não me arrependo ao mesmo tempo. Comecei a trabalhar porque queria comprar minhas próprias coisas: joias, roupas bonitas, coisas assim. E depois precisamos de dinheiro de verdade porque minha mãe ficou doente. A coisa ficou feia naquela época. Não tínhamos nada: às vezes não tínhamos o que comer. Se eu tivesse continuado na escola, já teria me formado. Mas porque eu trabalho, pelo menos conseguimos nos manter bem. Tenho 18 anos e meu trabalho me ajuda a cobrir minhas necessidades e as da minha família.

Voltei para a escola porque decidi me tornar policial. Para isso tenho que terminar o ensino médio. Tenho muitos primos na polícia. Eles me disseram que se eu estudasse me ajudariam a encontrar um emprego. Eu gosto da ideia de estar envolvido com o governo. Eles são muito respeitados, então vou trabalhar para isso. Minha mãe queria que eu fizesse algo da minha vida. “Estou deixando você”, dizia. “Continue batalhando.”


Esta história faz parte de uma série de depoimentos de crianças e mães que vivem em Ciudad Juárez, na fronteira EUA-México. Todas os menores foram pegas cruzando para os EUA, seja para perseguir aspirações pessoais ou para contrabandear pessoas, e agora estão recebendo serviços de justiça restaurativa da ONG Derechos Humanos Integrales en Acción (DHIA). Os relatos foram coletados juntamente com os defensores do DHIA e foram editados para maior clareza. A ilustração é uma representação fictícia produzida por Carys Boughton (Todos os direitos reservados). O nome do narrador também foi alterado.

The Beyond Slavery Newsletter Receive a round-up of new content straight to your inbox Sign up now

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData