democraciaAbierta: Opinion

Jineth Bedoya: o efeito borboleta que está transformando o mundo

Após decisão que responsabiliza o Estado colombiano por seu estupro durante guerra civil, a jornalista busca garantir sua implementação

CEJIL -
30 Agosto 2022, 12.00
Em 26 de agosto de 2021, a CIDH emitiu decisão histórica contra o Estado e a favor das vítimas de violência sexual durante a guerra civil
|

Luke MacGregor/Alamy Stock Photo

Jineth Bedoya é jornalista, ativista e sobrevivente. Uma mulher corajosa. Em 2000, Bedoya foi vítima de ameaças, sequestros, torturas e violências sexuais usadas como forma de retaliação por seu trabalho jornalístico no contexto do conflito armado da Colômbia. Seu caso permaneceu impune por décadas. Em 2010, criou a campanha "Não é hora de nos calarmos", que denuncia a violência sexual, a invisibilidade dessa prática e a impunidade generalizada que envolve esse crime hediondo.

Seu símbolo de campanha é uma borboleta violeta, que representa a dignidade das vítimas e sobreviventes de violência sexual. Este símbolo esteve presente ao longo do litígio de forma simbólica e literal porque Bedoya, sua força e seu caso são o exemplo perfeito do "efeito borboleta", conceito ligado à teoria do caos que mostra que o bater de asas de uma simples borboleta pode gerar imensas consequências do outro lado do mundo. De fato, o bater das asas de Bedoya gerou mudanças na realidade de milhares de mulheres.

Ninguém escapa do efeito borboleta de Bedoya. Nós, do CEJIL e nossos colegas da FLIP, tivemos o privilégio de fazer parte dessa transformação a partir do momento em que Bedoya nos confiou o litígio de seu caso no Sistema Interamericano de Direitos Humanos. Bedoya chegou até nós após muitos anos de luta incansável em busca de justiça em um país onde as ameaças contra ela e sua família nunca cessaram. Essas ameaças era feitas dentro de quadro de um processo judicial indiferente, discriminatório e tomado por estereótipos de gênero que dificultaram as investigações. O caminho foi longo e cheio de momentos desafiadores, emocionantes e outros, que embora profundamente dolorosos, nunca dizimaram a força de Jineth.

O desafio era colossal. A FLIP aplicou seu profundo conhecimento no contexto de violência contra a imprensa e seu expertise no acompanhamento de jornalistas, e o CEJIL suas décadas de trabalho e experiência em direito internacional e nos órgãos do sistema interamericano para gerar mudanças estruturais na área de direitos humanos nas Américas. Latin. Essa aliança estratégica fortaleceu as alas e nos permitiu sonhar, junto com Bedoya, que um dia a justiça seria feita.

Relacionado

HTK66P.jpg
A Colômbia se retirou de uma audiência perante a CIDH no caso da jornalista Jineth Bedoya, sequestrada e estuprada por paramilitares em 2000.

E esse dia chegou. Em 26 de agosto de 2021, a Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) emitiu uma sentença histórica em que responsabilizou o Estado colombiano e estabeleceu uma série de medidas para reparar os danos causados ​​a Bedoya e à sociedade em geral. Mas não vivemos apenas dias de glória durante o litígio. Como equipe, tivemos que enfrentar o complexo processo de audiências — difícil porque exige que a vítima reviva e conte acontecimentos dolorosos, mas que ao mesmo tempo é reparador porque marca a sua oportunidade de ser ouvida por um tribunal internacional imparcial.

Quem conhece Bedoya sabe como os símbolos são importantes para ela. Para aquele dia, ela fez uso de todas as ações simbólicas de reparação que vem construindo junto às mulheres vítimas de violência sexual: a audiência se deu no Centro Memória, Paz e Reconciliação, onde seria acompanhada e apoiada pela sociedade colombiana e, claro, por suas borboletas violetas, muitas carregando nomes de mulheres que sofreram violência sexual. Bedoya também convocou artistas, diplomatas e até advogados para criar uma borboleta violeta juntos na véspera da audiência, ajudando assim a encher as redes sociais de borboletas em seu apoio.

O que não esperávamos era que, naquela dia, o Estado fosse responsável por mais um ato de violência contra Bedoya. Durante a audiência, a delegação do Estado, em ato inédito, impugnou a imparcialidade dos juízes da CIDH e desistiu da audiência, o que levou à sua interrupção e ao desmantelamento de todos os elementos de reparação. Além de causar sofrimento adicional à vítima, a defesa do Estado também realizou atos de assédio e litígios maliciosos.

Desde a decisão, Jineth Bedoya percorre o país em busca de garantir seu efetivo cumprimento, que deve ser prioridade para o novo governo

No entanto, as ações do Estado geraram uma onda de apoio à Bedoya e nos obrigaram a responder com estratégias jurídicas e de comunicação para garantir que o Estado retornassem à audiência quando a CIDH resolvesse a impugnação. Tínhamos vencido mais uma batalha.

Após este episódio difícil, a sentença finalmente chegou. É uma decisão histórica que reivindica os direitos não apenas de Bedoya, mas de milhares de mulheres que enfrentaram violência sexual durante o conflito armado colombiano. A sentença também reivindica os direitos das mulheres jornalistas que há anos realizam seu importante trabalho em meio a um contexto adverso, no qual enfrentam diferentes tipos de violências como estereótipos de gênero, ameaças e até estúpro, utilizadas com o objetivo de silenciar, intimidar, humilhar, punir e minar a credibilidade das profissionais.

Nós, que tivemos o privilégio de acompanhar Bedoya nesta busca por justiça, podemos atestar que a decisão da CIDH teve um efeito restaurador sobre ela. A decisão estabelece uma série de medidas que buscam reparar as graves violações de direitos humanos contra Bedoya, bem como os 22 anos de impunidade dolorosa e indiferente que lhe custaram a vida, juventude e saúde. Porém, Bedoya não cansa ou para. Desde a decisão, ela percorre o país em busca de garantir o efetivo cumprimento da pena, que deve ser prioridade para o novo governo.

Essa longa jornada, o litígio e o processo de execução da decisão representam o efeito borboleta de Bedoya. Através de sua busca por justiça para si e milhares de mulheres e meninas, ela está transformando o mundo.

Assine nossa newsletter Acesse análises de qualidade sobre democracia, direitos humanos e inovação política na América Latina através do nosso boletim semanal Inscreva-me na newsletter

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData