Beyond Trafficking and Slavery: Feature

O que devemos fazer em relação aos migrantes climáticos?

A mudança climática obrigará muitas pessoas a deixarem suas cidades nas próximas décadas. Estamos prontos?

Catherine Tactaquin
18 Maio 2022, 12.00

A crise climática e a migração são duas das questões mais críticas – e controversas – da era atual. Elas também estão inelutavelmente relacionadas e, se quisermos abordar ambos, devemos fazer mais do que mitigar os impactos negativos das mudanças climáticas. Precisamos colocar as pessoas no centro de nossas estratégias e garantir que seus direitos humanos sejam protegidos à medida que o mundo muda ao seu redor.

O Fórum Internacional de Revisão da Migração (IMRF, na sigla em inglês), que acontece esta semana nas Nações Unidas em Nova York, é uma importante oportunidade para transmitir esta mensagem. Ativistas devem usar o espaço para promover uma narrativa forte e positiva sobre a migração global e convencer os delegados da necessidade de uma agenda articulada para lidar com a crise climática.

Mudanças climáticas: motor de migração

O Pacto Global para Migração (GCM), objeto do IMRF, foi assinado em 2018. Apenas quatro anos depois, especialistas em clima, incluindo os da ONU, anunciaram a aceleração do aquecimento global além das previsões anteriores. Ativistas estão pedindo aos países que ajam com ousadia para mitigar os efeitos dessas mudanças e se adaptem estrategicamente onde as perdas ainda não se tornaram permanentes.

Diante de governos que os consideram “riscos de segurança”, as hostilidades racistas e violentas contra os migrantes climáticos estão em ascensão

A mudança climática é um multiplicador de ameaças. Ela exacerba as desigualdades existentes, como as desigualdades econômicas entre países, desigualdades entre populações devido à raça, gênero, classe e assim por diante. Também atinge todos os aspectos da vida moderna, tornando inútil abordá-la através dos silos de questões usuais. Precisamos de uma abordagem abrangente que se baseie em pontos de interseção para criar economias sustentáveis ​​e garantir que os direitos e a justiça sejam garantidos.

Trabalhadores, mulheres e as populações mais afetadas pela pandemia global e pelas desigualdades estruturais precisam ser centrais para as deliberações nas arenas climática e migratória. A política precisa desesperadamente acompanhar essa realidade. Precisa reconhecer os direitos dos deslocados devido ao clima e a necessidade de vias para uma migração segura que ofereça soluções de longo prazo.

Migrar enquanto a Terra aquece

Pelo contrário, no período que antecedeu o IMRF, ativistas levantaram preocupações de que os ​​compromissos do GCM para abordar os fatores adversos da migração e garantir uma migração “segura”, regular e ordenada estavam sendo diluídos e até contestados. A proteção de compromissos e progressos é especialmente preocupante dadas as consequências que já vemos diariamente em todo o mundo. Considere as histórias recentes compartilhadas durante um evento virtual sobre mulheres, migração e clima:

Milhares de mulheres responsáveis ​​por empacotar bananas em plantações em Honduras perderam seus empregos após os recentes furacões, que se tornaram mais fortes e mais frequentes na América Central com as mudanças climáticas. Enquanto os sindicatos lutavam para restabelecer seus empregos, as mulheres esperavam o retorno da produção — sem renda ou apoio social.

Secas persistentes, chuvas irregulares, temperaturas mais altas e extremas e inundações estão afetando toda a região da América Central, incluindo seu Corredor-Seco. A produção agrícola local diminuiu drasticamente, fomentando o deslocamento populacional e a migração. Esse processo é ilustrado pelas frequentes “caravanas” de migrantes que buscam a forma mais segura de partir para novos destinos.

A instabilidade nas áreas de conflito da África está crescendo. As famílias deslocadas internamente por fatores relacionados ao clima na Nigéria não apenas sofreram ameaças físicas, assédio e violência, mas também carecem de apoio estatal para assistência médica, acesso à eletricidade, condições sanitárias, educação para crianças e muito mais. Para muitos, a única solução é se mudar novamente, dentro da região ou além, em busca de segurança e sobrevivência.

A Environmental Justice Foundation estima que em Bangladesh, frequentemente citado como um dos países mais “vulneráveis ​​ao clima” do mundo, uma em cada sete pessoas pode ser deslocada por fatores relacionados ao clima até 2050. As projeções também esperam que mais de 18 milhões de pessoas precisem deixar seus lares devido ao aumento do nível do mar.

Relacionado

2D9831M.jpg
Em 2020, os furacões Eta e Iota destruíram mais de 200 mil hectares de alimentos e safras comerciais no Triângulo Norte

A maioria dos deslocamentos relacionados ao clima permanecerá interna aos países. No entanto, a pressão para atravessar as fronteiras está sempre presente, especialmente quando os países não fornecem apoio às populações deslocadas. Em alguns casos, como na região do Pacífico, o deslocamento está se tornando inevitável. Embora contribua com apenas 0,03% das emissões globais de gases de efeito estufa, a região sofre alguns dos piores efeitos do clima, incluindo aumento do nível do mar, aumento da salinização do mar e da terra, perda de terras e de pesca, entre outros.

Cada vez mais, as pessoas deslocadas pelo clima estão se tornando parte do que é conhecido como “fluxos migratórios mistos”: pessoas que atravessam fronteiras internacionais, com ou sem documentos migratórios, como requerentes de asilo, trabalhadores migrantes e refugiados. As categorias de pessoas em movimento estão se tornando cada vez mais difusas e, como resultado, quase todos os migrantes enfrentam desafios adicionais nas fronteiras e em seus novos países.

Diante de governos que os consideram “riscos de segurança”, as hostilidades racistas e violentas contra os chamados “migrantes climáticos” estão em ascensão. Isso é especialmente preocupante no contexto da pandemia de Covid-19, que transformou migrantes em bodes expiatórios para a propagação do vírus. Em alguns países, essa tendência levou a políticas de imigração mais rigorosas e controles de fronteira militarizados.

O direito de sair, o direito de chegar

À medida que nos esforçamos para progredir na luta contra o aquecimento climático, precisamos promover compromissos firmes com os direitos humanos e políticas de migração humana. Devemos nos afastar da retórica prejudicial de dissuasão da migração que domina as políticas há décadas. Reconhecendo este momento crucial para abordar todos os aspectos da crise climática, os governos nacionais e instituições internacionais como as Nações Unidas devem avançar em novos caminhos de migração flexíveis que respeitem os direitos, incluindo direitos trabalhistas, e com acesso à residência permanente e cidadania. As políticas devem reconhecer o escopo e a escala das mudanças climáticas e dos impactos ambientais, tanto como os sentimos atualmente, quanto em antecipação às dificuldades futuras.

A ação sobre a migração deve andar de mãos dadas com os compromissos para enfrentar a crise climática, contribuindo para o financiamento relacionado ao clima para mitigação, adaptação e perdas e danos. Esta ação é necessária não apenas para a saúde e viabilidade de todo o planeta, mas também porque abordará os fatores estruturais subjacentes às decisões de migração. O IMRF precisa adotar políticas coerentes sobre clima, migração, trabalho e desenvolvimento – e nas quais a migração relacionada ao clima e suas causas sejam as principais prioridades.

The Beyond Slavery Newsletter Receive a round-up of new content straight to your inbox Sign up now

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData