democraciaAbierta: Opinion

Promessa verde da nova Constituição chilena está ameaçada

O plebiscito de 4 de setembro pode fazer do Chile um líder mundial em ação climática e ecológica. Mas rejeição é alta

Linkedin03.png
Miguel González Palacios
29 Agosto 2022, 12.00
Apesar do grande otimismo gerado pela nova Constituição, sua taxa de rejeição é alta
|
Alamy Stock Photo

Em 4 de setembro, o Chile poderá mudar radicalmente o curso de sua história. Mais de 15 milhões de pessoas terão que votar, compulsoriamente, em um plebiscito para aprovar ou rejeitar a nova Constituição, que começou a ser escrita em julho de 2021 em resposta às históricas mobilizações do final de 2019, conhecidas como “surto social”.

Se a opção "aprovo" vencer, o país finalmente virará a página escura de sua ditadura. Embora tenha terminado oficialmente em 1990, o governo militar de Augusto Pinochet ainda serve como principal âncora para o atual sistema político, econômico e social através da Constituição de 1980.

Mas, além disso, o novo texto constitucional cria normas, direitos e obrigações para o Estado e a sociedade que podem levar o Chile à vanguarda da ação contra a crise climática e ecológica. Também pode promover uma mudança no modelo de desenvolvimento econômico extrativista que devasta a América Latina.

Uma transformação urgente

O Chile é conhecido por seus abundantes recursos minerais. Além de abrigar as maiores reservas de cobre e lítio do mundo, o país atrai milhões de turistas todos os anos interessados em seus rios, lagos e geleiras e em provar as riquezas de seus mares, que se estendem da Antártida até a Ilha de Páscoa, a mais de 3,7 mil km da costa, no Oceano Pacífico.

Mas o Chile também é um dos países mais vulneráveis ​​aos efeitos das mudanças climáticas. O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da ONU, publicado em fevereiro de 2022, alertou que o país será cada vez mais afetado pelo aumento drástico da temperatura, baixa pluviosidade, derretimento de geleiras e erosão costeira. Soma-se a isso a crescente ocorrência de eventos extremos e desastres naturais, como ondas de calor cada vez mais devastadoras, terremotos e tsunamis.

Hoje, mais de 8 milhões de pessoas sofrem os efeitos da "mega seca" que assola o país desde 2008. Das 345 comunas – ou municípios – do país, mais da metade está sob decretos de escassez de água — alguns há mais dez anos consecutivos.

A falta de chuvas é especialmente aguda no centro-sul do país, onde vive a maior parte da população. Alguns locais registram uma redução de mais de 70% em relação à média histórica de chuvas. O cenário é ainda mais complexo nas áreas rurais, onde o racionamento de água já faz parte do novo normal. Milhares de pequenos agricultores perderam seus animais e colheitas, sofrendo grave deterioração de sua qualidade de vida devido às dificuldades em obter água potável.

Além disso, a seca também prejudica a produção de energia hidrelétrica do país, obriga centenas de famílias a migrar para as cidades e causa impacto devastador nos ecossistemas e na biodiversidade.

No entanto, a crise hídrica não é apenas resultado das mudanças climáticas e se deve também a um grave problema de distribuição e acesso à água. O Chile é o único país do mundo em que a água, na prática, é tratada como um bem privado. Embora a Constituição de 1980 declare ser um bem nacional de uso público, o Código de Águas do ano seguinte permite ao Estado conceder os direitos de uso a agentes privados.

Na nova Constituição, o Chile se declara um Estado ecológico, cujo valor fundamental é a interdependência do ser humano com a natureza

Muitos desses direitos foram concedidos em perpetuidade, tornando seu comércio em um negócio lucrativo para poucas famílias e empresas. Apesar de o Estado cedê-los gratuitamente, seus proprietários podem posteriormente vendê-los e especular sobre seu valor, como qualquer outra mercadoria.

Isso permitiu que, em plena seca e sem qualquer controle das autoridades, os titulares desses direitos continuassem irrigando lavouras extensivas e usando grandes quantidades de água para mineração, enquanto cerca de 2 mil comunidades camponesas dependem do fornecimento de caminhões pipa.

O que propõe a nova Constituição

Logo após o início de suas sessões, o plenário da Convenção Constituinte – composto por 154 membros eleitos de forma democrática e paritária – declarou “estado de emergência climática e ecológica”, assumindo o cuidado com o meio ambiente como uma de seus prioridades.

O resultado é que, após nove meses de debates, audiências públicas e longas jornadas de votação, pelo menos 50 dos 388 artigos que compõem o texto final são relacionados a questões ambientais. A maioria deles foi promovida pelos "eco-constituintes", um grupo de 30 membros da convenção que liderou essa luta.

Essas novas normas têm suas raízes nos avanços feitos em outros países da América Latina, como a Constituição equatoriana de 2008, que foi a primeira no mundo a estender direitos à natureza, ou a Constituição boliviana de 2009, que inclui antigos conceitos indígenas relacionados ao meio ambiente, como o suma qamaña ou bem viver, e estabelecem o direito fundamental a um meio ambiente saudável.

Na nova Constituição, o Chile se declara um Estado ecológico, cujo valor fundamental é a interdependência do ser humano com a natureza e o bem viver. Isso confere ao Estado e à sociedade a obrigação de proteger e respeitar os direitos da natureza e de agir diante da crise climática e ecológica.

Também consagra como direitos humanos o direito à água, alimentação, meio ambiente saudável, ar puro e direito à cidade e ao território. E cria instrumentos inovadores de justiça ambiental e democracia, como a Defensoria da Natureza e os Conselhos de Bacias Hidrográficas. Também visa garantir o direito a consulta e anuência prévia dos povos indígenas sobre atividades que possam afetar seu território e modos de vida, assim como se propõe a instalar Tribunais Ambientais em cada uma das 16 regiões do país.

O preço de descartar o conteúdo do novo texto de uma só vez e de manter a Constituição de 1980 é alto demais

Outro dos aspectos mais inovadores é a definição de "bens públicos naturais", que inclui o mar territorial e o fundo do mar, praias, águas, geleiras, zonas húmidas e altas montanhas, entre outros, sobre os quais o Estado deve assumir o dever de preservar, conservar e, se necessário, restaurar.

Com relação à gestão da água, a nova Constituição inclui um estatuto que prioriza o exercício do direito humano à água e o equilíbrio dos ecossistemas sobre qualquer outro uso deste recurso. Para este fim, cria a Agência Nacional da Água, um órgão autônomo encarregado de supervisionar as ações de entidades públicas e privadas que será responsável pela concessão e revogação das autorizações de uso da água. Essas autorizações seriam temporárias, não gerariam direitos de propriedade nem poderiam ser comercializadas e incluiriam obrigações para a conservação de fontes e bacias hidrográficas.

Um futuro melhor na balança?

Apesar do grande otimismo gerado pela nova Constituição, sua taxa de rejeição é alta. A poucos dias do plebiscito final, a opção por rejeitar o texto tem um apoio muito próximo, ou até maior, do que a opção por aprová-lo. O panorama é desconcertante, uma vez que 78% dos chilenos votou a favor de substituir a atual Constituição de Pinochet.

Sem dúvida, é mais fácil concordar com a necessidade de mudança do que como alcançá-la. É verdade também que muitas questões estão longe de chegar a um consenso na opinião pública. Mas grande parte da força do movimento de rejeição se deve a uma campanha de desinformação que vem disseminando fake news em relação ao conteúdo da nova Constituição.

O preço de descartar o conteúdo do novo texto de uma só vez e de manter a Constituição de 1980 é alto demais. Essa polarização também acarreta o risco de uma nova crise política e social. Se a população rejeitar o novo texto no próximo domingo, o Chile perderia uma oportunidade histórica de se equipar com as ferramentas necessárias para agir diante da emergência climática e ecológica. A crise não vai esperar, como mostra a seca que assola quase todo o território nacional e que pode se agravar nos próximos anos.

A aprovação da nova Constituição é apenas o primeiro passo. A concretização de seus mandatos ambientais dependeria de um grande número de reformas, a serem processadas no Legislativo e implementadas pelos governos nas próximas décadas. Mas é um passo decisivo que deve ser dado agora e que tem o potencial de promover uma mudança no modelo de desenvolvimento econômico – na região e no mundo.

We've got a newsletter for everyone

Whatever you're interested in, there's a free openDemocracy newsletter for you.

Unete a nuestro boletín ¿Qué pasa con la democracia, la participación y derechos humanos en Latinoamérica? Entérate a través de nuestro boletín semanal. Suscríbeme al boletín.

Comentários

Aceitamos comentários, por favor consulte ás orientações para comentários de openDemocracy
Audio available Bookmark Check Language Close Comments Download Facebook Link Email Newsletter Newsletter Play Print Share Twitter Youtube Search Instagram WhatsApp yourData